TÍTULO: Nada
AUTORA: Janne Teller
EDITORA: Record
ANO: 2013
PÁGINAS: 101
SINOPSE: “Nada importa.” “Você começa a morrer no instante em que nasce.” Pierre Anthon está no sétimo ano e tem certeza de que nada importa na vida. Por isso, passa os dias sobre os galhos de uma ameixeira, tentando convencer seus companheiros de classe a pensar do mesmo modo. No entanto, diante da recusa do menino de descer da árvore, seus colegas decidem fazer uma pilha de objetos dotados de significado, e com isso esperam persuadi-lo de que está errado. Mas aos poucos a pilha se torna um monumento mórbido, colocando em xeque a fé e a inocência da juventude.


 Primeiramente, queria dizer que essa capa não tem absolutamente NADA (com o perdão do trocadilho) a ver com o livro e seu conteúdo. Por isso, fui atrás das capas originais...Essas fizeram muito mais sentido (tirando a da esquerda que parece ser a fonte inspiradora para a capa brasileira)



          O nó na garganta permanece vivo e constante após minutos do término desta leitura. Um livro chocante, que me despertou raiva, algum humor mórbido e acima de tudo muito temor no que diz respeito a busca do ser humano por significado. Há uma linha tênue entre a loucura e a sanidade. Muitos acham que não, mas de fato há.  Um livro desses desperta uma incredulidade tão real que nos coloca a beira do abismo de sensações contraditórias.  Seja lá o que isso queira significar. Uma narrativa simples que vai se transformando até as últimas consequências.  No início não dei nada para o livro. E de fato ele me fez pensar em alguns nadas que fazemos em nossas vidas. Mas, o que mais me mostrou é que o significado não tem preço.  E que se nos vendermos podemos perder o que mais importa. 


 "Porque tudo só começa para acabar. Você começa a morrer no instante em que nasce. E isso vale para tudo." p.10

           A escrita é leve, descompromissada. No inicio você se depara com situações bem corriqueiras da juventude, aquela preguiça característica dos jovens pelo estudo, a rebeldia e as crises existenciais. Numa dessas crises Pierre Anthon chega a conclusão de que nada no mundo importa. Que vivemos um ciclo bem sem graça de existência. Nascemos, vamos para a escola por anos, depois vamos ao trabalho e continuamos em busca de uma felicidade que não "existe". Não há significado, não sentido na vida. Até ai, creio que todos já chegaram a pensar, nem que seja por um segundo, qual é o sentido da vida. Por que estamos aqui, onde onde viemos e para onde vamos. Essas reflexões levaram Pierre a sair da escola, pendurar-se em cima de uma ameixeira (talvez uma referência aos filósofos gregos que sentavam-se nas árvores para discorrer sobre a vida e os seres humanos) e ficar divagando sobre o fato de que nada importa.


"Havíamos acabado de começar o sétimo ano e éramos todos tão modernos e conhecedores da vida e do mundo que sabíamos muito bem que tudo se tratava mais de como as coisas pareciam ser do que de como de fato eram." p.13

          Quando faz isso, Pierre acaba irritando seus colegas que no fundo sabem que ele tem razão. Mas, não querendo dar o braço a torcer, resolvem por um fim nessa "armadura sabichona" de Pierre. É então que a turma do 7A resolve criar a pilha dos significados e lá vão colocar aquilo que mais importa para cada um deles. No começo, achei que a narrativa seguiria um rumo tranquilo, eles iriam colocar os bens preciosos, Pierre entenderia que há coisas importantes e eu fecharia o livro, seguiria minha vida e ponto final. No entanto, isso não aconteceu. O livro ficou cada vez mais tenso até que culminou em um fim inimaginável.

Pensei um pouco antes de escrever este último parágrafo. 

            Pensei no que eu gostaria de saber, no conselho que daria a mim mesma se pudesse saber de antemão o que sentiria ao terminar de ler esse livro. Se pudesse voltar no tempo diria a uma Ingritt curiosa, que a curiosidade não valeria a pena. Que a leitura do livro me deixaria mais angustiada e perdida do que me esclareceria algo. Eu certamente não recomendaria o livro a mim mesma. Não pelo fato de o livro ser ruim ou algo do tipo e sim pelo impacto que ele causa nas pessoas. É um livro com reflexão profunda mas em forma de narrativa juvenil. É um livro que toca a nossa essência humana e nos deixa expostos. Tenho quase certeza que mentes mais fracas enlouqueceram com a leitura desse livro. Creio que escrevo essa resenha como forma de provar a minha lucidez.  O meu olhar crítico inspirado pela razão para falar sobre o livro. Não recomendo a leitura. Nós não merecemos essas angústias impostas pelo livro e muito menos sofrer por causa das atrocidades que adolescentes em busca do sentido da vida são capazes de fazer. No entanto, se você tem um estômago forte e uma mente também forte, creio que esse livro tem algo a dizer para você.

Conheça um pouco a autora: 


Educada como macroeconomista, Janne Teller trabalhou para as Nacões Unidas e para a União Européia em resoluções de conflitos e problemas humanitários ao redor do mundo, especialmente na África. Desde 1995 se dedica totalmente a escrita. Nasceu em Copenhague, e já morou em vários países espalhados pelo mundo. No momento, reside em Nova York. Seus trabalhos na literatura giram, principalmente, em torno de romances e ensaios e concentram-se sempre em perspectivas da existência humana e da civilização. Frequentemente, suas obras causam polêmica, como sua obra "Nada" que chegou a ser proibida em alguns países, mas que por fim e a cabo se tornou um fenômeno mundial. "Nada" foi traduzida para 25 idiomas e revolucionou a literatura juvenil. 



12 Comentários

  1. Ahhh a primeira frase da sinopse é bem impactante, gostei! E poxa que pena que a capa não combine com o livro! Não conhecia a autora, mas bacana sua dica!

    Bjs, MI

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, muito impactante! Obrigada pela visita! =)

      Excluir
  2. Nossa sua resenha me deixou em cima do muro. Ao mesmo tempo quero ler e em outro não. O livro parece angustiante. Bjos!

    Blog Literário 2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fiquei em cima do muro após ler! Realmente, angustiante é uma boa palavra para esse livro, rsrs.
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  3. Pretendo lê-lo , mas não agora , vou esperar um momento mais propício pra isso ! Parabéns pela resenha.. bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada John! Você vai gostar, acho que tem um bom senso critico para ler esse livro!

      Excluir
  4. Parabéns pela resenha, gostei muito do livro.
    Pretendo lê-lo ☺️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Que bom, você é corajosa! rsrs!
      obrigada pela visita!

      Excluir
  5. Oi
    nem conhecia esse livro nunca tinha visto nem para comprar, mas pela sua resenha parece ser bom já que pelo que li despertou vários sentimentos em você, que bom que a escrita é leve.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. A primeira vez que eu vi o livro foi no canal Chiclete Violeta, ela falou tão bem do livro que eu até tinha colocado na minha lista de livros desejados, mas até hoje eu não comprei.
    O livro faz lembrar um filme (eu não lembro o nome).
    Bjs!

    Refúgio da Ju

    ResponderExcluir
  7. Nunca tinha ouvido falar desse livro e esse pegada angustiante me deixou curiosa sobre a leitura. Vou dar uma chance a história e adorei a resenha.
    no-universo-dos-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. fiquei intrigado, e agora? ler ou não ler?

    ResponderExcluir